quarta-feira, 11 de novembro de 2015

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

sábado, 7 de novembro de 2015

Antologia Da Trova Legenda 2014 * Antonio Cabral Filho - RJ

Antologia Da Trova Legenda
Minha Trova Favorita 2014
Edição:
Eliana Ruiz Jimenez
http://pt.calameo.com/books/001893073a13ed80ca2c3 
Participação:
Antonio Cabral Filho
*

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Seleta Di Versos - Poesia * Antonio Cabral Filho - RJ

Seleta Di Versos
Poesia / Antonio Cabral Filho
http://www.carmovasconcelos-fenix.org/Escritores/ANTONIO_CABRAL_FILHO-SELETA/A_C_FILHO-poesia.htm 
Revista Fênix - 2014
Lisboa-Portugal
*

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Seleta Curupira * Antonio Cabral Filho - RJ

Seleta Curupira
Organização:
Antonio Cabral Filho
http://pt.calameo.com/books/0018930731f27341c6156?Status=update_ok  
Edição
Letras Taquarenses Edições 
Rio de Janeiro 2014
*

sexta-feira, 3 de abril de 2015

PARTO RELÂMPAGO * Antonio Cabral Filho - Rj

CADERNO LITERÁRIO PRAGMATHA
Nº 67 MARÇO 2015
EDITORA: SANDRA VERONEZE - RS
http://cadernoliterario.com.br/autores/585-Antonio-Cabral-Filho 
*
PARTO RELÂMPAGO

Casalzinho namorando no portão,
o clima subindo, altos beijos, 
suores vindo à tona,

de repente a menina solta gritos,
gemidos, urros de dores
vindas das profundezas d'alma

a ponto de o pobre ficar perdido,
sem saber se a pega nos braços,
se a leva para a varanda da casa,

mas de repente ela abre a bolsa
e põe-se a revirar tudo em busca
de alguma solução, talvez um remédio,

e quando menos se espera, pega
uma folha de papel e um lápis de baton
e faz anotações nervosas aos rabiscos.

E ao perguntar-lhe o que houve,
como está se sentindo, se é gravidez,
obtem a resposta, entre dentes:

- Acaba de nascer um poema! 
***

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Falso Diálogo Com Ferreira Gullar * Antonio Cabral Filho - RJ

ANE - Associação Niteroiense de Escritores - 1992.
***

Falso Diálogo Com Ferreira Gullar 

Gullar - "Eu, como poeta,
preciso da língua
para violentá-la!"
Cabral - Eu, como poeta,
prefiro violentar
com a língua.
*